Incontinência urinária infantil

O controle miccional (da urina) ocorre até em torno dos cinco anos de vida. Falhas nos processos de desenvolvimento e amadurecimento da criança podem levar a dificuldades nesse controle. A aquisição do controle miccional pode ser mal influenciada por fatores variados como: baixa capacidade de armazenamento de urina na bexiga, desfralde mal conduzido, hábitos miccionais incorretos (uso de tablet, celular ou livros no banheiro), entre outros.

As perdas urinárias podem ser contínuas ou intermitentes, diurnas e/ou noturnas e acompanhadas ou não de outros sintomas. A enurese noturna é a mais comum e é definida como “a perda involuntária de urina durante o sono, em indivíduos com cinco anos ou mais, após excluir causas orgânicas”. Pode causar, com frequência, importante sofrimento psicológico e social tanto a familiares e cuidadores, quanto às crianças acometidas. Mais da metade das crianças com disfunções miccionais também têm constipação intestinal. Ao iniciar o tratamento, é importante envolver a comunidade escolar para auxiliar no sucesso das medidas propostas.

O tratamento deve ser interdisciplinar devido ao grande número de fatores que interferem na incontinência. Assim, a fisioterapia especializada pode utilizar recursos desde a educação da família e criança sobre função urinária, hábitos miccionais, ingesta de líquidos; exercícios posturais, de equilíbrio e percepção corporal; postura correta para urinar e evacuar, eletroestimulação, biofeedback eletromiográfico e outros necessários após uma avaliação detalhada.

Abaixo, link de site da fisioterapeuta Joceara Reis, com cartilha elaborada para auxiliar criança e familiares no decorrer do tratamento. Procure sempre um profissional de confiança.

http://fisiopelvicasp.com.br/noticias.html

Lorena Cecilia Valenzuela Reyes é fisioterapeuta, mestre em Bioengenharia pela USP-São Carlos, tem especialização em Saúde da Mulher e do Homem pela Santa Casa de São Paulo